Claudio Cretti

Belém, PA, Brasil, 1964

Vive e trabalha em São Paulo


Claudio Cretti é escultor, desenhista, professor e cenógrafo. Em 1981 estudou no Instituto de Arte e Decoração (Iade) e em 1984 ingressou no curso de artes plásticas da Escola de Belas Artes. Sua abordagem na arte propõe intermediações entre o bi e o tridimensional. Na década de 1990, entre os grandes relevos produzidos pela colagem de camadas de papéis recobertos por pigmento e suas primeiras esculturas em mármore ou madeira, há um diálogo estabelecido por meio da textura, do volume e do caráter planar. Já os pequenos relevos posteriores em fibra de vidro, transitam entre a definição de pintura e objeto. Os desenhos com bastão oleoso da década de 1990 também dialogam com a produção escultórica pela densidade da matéria e o caráter estrutural das formas. Não é possível nomear com exatidão as formas que compõem seus trabalhos. Mesmo os títulos das obras, muitos extraídos da literatura, funcionam como um arranjo improvável para definir algo novo, nomeiam não as formas em si, mas as relações que estabelecem.



Dentre suas exposições individuais recentes destacam-se: “Céu Tombado”, Paço das Artes, São Paulo como artista convidado (2004); “Onde pedra a flora"  na Estação Pinacoteca, SP (2006) e “Luz de ouvido”, Palácio das Artes, Belo Horizonte (2008), Coisa Livre de Coisa, Galeria Marilia Razuk, São Paulo (2011); Pandora, site specific no Palácio das Artes, São Paulo (2013); A Pino, performance no Redbull Station, São Paulo (2014), "Mesa Posta", curadoria Paula Borghi, Oficina Cultural Oswald de Andrade (2016), "Acaso a Coisa a Casa", curadoria Ana Cândida de Avelar, Casa Niemeyer, Brasília (2018). 


Participou de mostras coletivas no Instituto Tomie Ohtake, MAM SP, Pinacoteca do Estado de São Paulo, entre outras. Em 2004, a TV Cultura e a rede SESI-SENAC realizam um documentário sobre sua produção para a série “O mundo da Arte”. Em 2009, a convite da Galeria  Marilia Razuk , concebe e realiza a exposição coletiva “Desenhar Lugares”. No mesmo ano elabora a publicação “José Antonio da Silva” voltada para o público infantil, sobre a obra desse artista. Em 2011 realiza a curadoria da exposição “Assim é, se lhe parece” no Paço das Artes, São Paulo. Em 2013 a Editora WF Martins Fontes lança o livro “Claudio Cretti”, uma seleta crítica da obra do artista.