Brutalidade Jardim

Curadoria Kiki Mazzucchelli

de 31 de outubro a 30 de novembro
Salas 1 e 2 / Sala 1 - Rua Jerônimo da Veiga 131 e Sala 2 - Rua Jerônimo da Veiga 62

Abertura: 

quinta-feira, 31 de outubro de 2013, às 19 horas.


Horário de funcionamento: 

segunda a sexta-feira, das 10h30 às 19h / sábado das 12h às17h.


CURADORIA KIKI MAZZUCCHELLI


A galeria Marília Razuk apresenta, a partir do dia 30 de outubro, a exposição Brutalidade Jardim, sobre o processo de formação da sociedade brasileira, a partir da importação de uma cultura europeia e sua adaptação ao“novo mundo”. A exposição tem curadoria de Kiki Mazzucchelli, responsável por mostras como Mitologias por SP, no MAM, e A Séance for Geometry,  na Madoxx Gallery, em Londres, Hüseyin Bahri Alptekin, no Sesc Pompeia, entre outras. E trará obras dos artistas Adriano Amaral, Alexandre Canonico, Ana Luiza Batista, Clara Ianni, Debora Bolsoni, Fabio Gurjão, Johanna Calle, Jorge Pedro Núñez, José Bento, Laercio Redondo, Maria Laet, Marlon de Azambuja, Mauro Cerqueira, Raquel Garbelotti, Renata Bandeira e Rodrigo Matheus.


O título da exposição “Brutalidade Jardim” faz parte de um verso do romance Memórias sentimentais de João Miramar (1924), de Oswald de Andrade, popularizado pela canção de Gilberto Gil, Geléia Geral (1968). A exposição constrói um núcleo poético capaz de unir obras de conceitos e formas distintas que partilham de uma mesma sensibilidade e enunciam os aspectos contraditórios da formação brasileira, a partir do embate “entre a força desorganizadora da natureza tropical e a vontade racionalista da arquitetura”, afirma Kiki. “Arquitetura e natureza funcionam aqui como uma espécie de alegoria dessas forças opostas de organização e caos que caracterizam nosso processo de formação cultural”,completa a artista plástica.


A junção do legado da arquitetura europeia e da herança negra e indígena, que deu origem a uma escola brasileira de vanguarda do neoconcretismo, também é abordada pela curadora na exposição. Segundo ela, “a tradição artística geométrica (de origem européia) no Brasil deu origem a um desdobramento único com o Neoconcretismo,agregando o dado temporal, participativo e sensorial ao abstracionismo geométrico”.