Rodrigo Bueno

A FERRO E FOGO (ADENDOS)

19.03.2016 - 20.07.2016
Sala 2 / Rua Jerônimo da Veiga, 62 - Itaim Bibi/ São Paulo

Abertura para convidados: 

19 de março, sábado, às 11h.


Horário de funcionamento:

Segunda a sexta-feira, das 10h30 às 19h

Sábado, das 12h às 17h.

A Galeria Marília Razuk apresenta a nova instalação de Rodrigo Bueno: A ferro e fogo (Desdobramentos) é composta por grades de ferro de dimensões variadas acrescidas de elementos naturais como raízes, plantas e madeiras. O trabalho é um desdobramento da série Rebentos - apresentada pela primeira vez no Museu da Casa Brasileira, em 2014 – pensado para a Sala 2 da galeria, espaço menor e mais versátil usado para projetos especiais.


O título da exposição faz referência à forma como o artista trabalha sua matéria-prima, cortando e soldando o material usado que recolhe em ferros velhos, tanto como também propõem possibilidades frente a radicalidade inserida nessa expressão, uma instauração simbólica fundada na dança entre a arte e o design. Isso significa que as grades, originalmente empregadas como instrumentos de proteção e demarcação de território, têm a sua função primeira subvertida. “Minha obra fala da memória urbana através de resíduos arqueológicos da própria cidade. Estou recontando uma história de outra maneira, inserindo uma reflexão sobre sua origem e a transmaterialidade do mito.”, afirma Bueno. Os elementos naturais característicos de seu trabalho trazem o fora para dentro da galeria, em um contexto onde as grades se expandem além de sua forma original, se desdobram, como se a natureza tivesse mais força do que a arquitetura na qual está contida.


O artista escreveu um poema para a exposição:

 

Desdobramento

A ferro e fogo

De dentro pra fora

O eixo roda e a sala se desdobra

Interior interroga

Mais espaço revoga

 

Peça forjada de realidade usada

Matéria nobre de autoridade alterada

Proteção ornamento - forma de isolamento

Ogum, Vulcano, Hefesto do Todo fragmento

 

Liberta é rebento

Rompe Mato crava fato

Desígnio indomável

Saúda o tempo em novo contato

Equilíbrio desafiado

Entremeio renovado, é pau, pedra

Planta transcendência - desobediência

Nuance destitui o ode ao ferro e fogo

Entre planos, canção de improviso

Físico ritmo ambíguo

É dentro é fora, pleno e vazio

Limite ferido expande intrínseco valor e juízo


Paralelamente à mostra individual na galeria, o artista abre, dia 20 de março, no SESC Vila Mariana, a coletiva Provocar Urbanos, com a instalação Barravento – A violência que antecede a transformação, na qual é notável o diálogo com a mostra individual A ferro e fogo (desdobramentos). A obra consiste em um conjunto escultórico feito de grades usadas que simulam uma ventania entre elementos naturais, como plantas e madeiras na laje do Atrium, entre as duas torres do SESC.


Sobre o artista:

Natural de Campinas, nascido em 1967, Rodrigo Bueno está a frente do Ateliê Mata Adentro, um galpão no bairro paulistano da Lapa onde articulam-se diversos processos criativos que recuperam resíduos da cidade e os transformam em ambientes, encontros, pinturas e jardins que falam da continuidade da vida.