JOHANNA CALLE

têxteis

31.05.2022 - 23.07.2022
Sala 1 / Rua Jerônimo da Veiga 131 - São Paulo

JOHANNA CALLE  Têxteis


TEXTO José Augusto Ribeiro

(Clique para ler)


ABERTURA

Terça-feira, 31 de Maio de 2022


PERÍODO EXPOSITIVO

31 de Maio - 23 de Julho de 2022


HORÁRIO DE VISITAÇÃO

Seg- sex, 10h30-19h / Sáb, 11h às 16h 

Tel: +55 11 3079-0853 

Whatsapp: + 55 11 96082-3111


Galeria Marília Razuk apresenta exposição da artista colombiana Johanna Calle


"Todas as palavras já foram um dia um neologismo", é o que diz o poeta argentino Jorge Luís Borges. Sua máxima acompanha as 22 fotografias da série Neologismos - 2020 trabalho inédito da artista colombiana Johanna Calle, que compõe a exposição Têxteis, sua nova individual na Galeria Marília Razuk, em cartaz a partir de 31 de maio.


Autora de uma produção simultaneamente delicada e contundente, Johanna Calle encontrou no grafismo uma forma especial de referenciar problemas e incoerências que permeiam a sociedade latino-americana. Para compor suas imagens a artista toma diversas formas de escritura como ponto de partida, se apropriando de manuscritos, cartas, partituras musicais, matrizes matemáticas ou técnicas de taquigrafia, em uma espécie de jogo permanente entre linhas, palavras e sinais.


Com texto do curador José Augusto Ribeiro, novo Diretor Artístico da Galeria, a exposição apresenta um conjunto de 80 trabalhos realizados entre 2019 e 2022, todos inéditos. São fotografias, textos, desenhos, trabalhos em tecidos e elaborados por Calle a partir de procedimentos novos em sua criação. A exemplo de Tecidos Fotográficos , séries compostas por fotografias analógicas, produzidas entre o final do século XIX e meados do século XX, por profissionais ou amadores, personalidades ou anônimos, pertencentes, antes, a arquivos familiares, públicos, empresariais, ou que, por exemplo, circularam por agência de notícias e órgãos de comunicação.


Os trabalhos desta exposição abordam também questões políticas urgentes da vida contemporânea, a exemplo da propriedade de terras, dos direitos de povos indígenas e das mulheres na América Latina como nos conjuntos de trabalhos intitulados A Grande Árvore e Obandos.


Nascida em Bogotá, na Colômbia, em 1965, Johanna Calle ganha uma projeção no cenário artístico local importante já nos anos de 1990, e sua trajetória conquista uma repercussão internacional abrangente a partir da década seguinte. Segundo o curador, no texto que acompanha a mostra, a artista foi bastante identificada, desde o início da trajetória, com pesquisas relacionadas ao desenho, ao tecido e à costura, à fotografia, à escrita e à sugestão de narrativas, com trabalhos lineares, em que o vazio exerce papel ativo, a produção de Calle guarda conexões variadas com obras de artistas como Mira Schendel, Eva Hesse, Gego e León Ferrari.


Em Têxteis, sua quarta individual na Marília Razuk, Johanna Calle traz ao público imagens enigmáticas que retiram da fotografia o estatuto de registro da realidade. Em vez disso, a artista atribui aos instantâneos um caráter indefinido, no que diz respeito tanto à representação como à sua significação.

“Não obstante a heterogeneidade de técnicas e materiais, a exposição reitera, de um trabalho a outro, uma definição da palavra ‘têxtil’ como aquilo que se transforma em e com fios e linhas – que se pode trançar, superpor ou, igualmente, desfiar e romper”, reflete José Augusto.


Sobre a artista

Johanna Calle nasceu em Bogotá, Colômbia, em 1965, onde atualmente vive e trabalha. Após estudar na Universidad de los Andes (1984-1989), em Bogotá, Calle realizou seu mestrado em Artes Plásticas pelo Chelsea College of Art, Londres (1992-1993).


Entre suas principais exposições individuais, destacam-se: Dibujos/ Dessins, Maison de l’Amérique Latine, Paris, France; Silentes, curadoria de Helena Tatay, Museu de Arte do Banco da Republica, Bogotá, Colômbia (2015); Krizinger Residencies, Krizinger Gallery, Vienna, Austria (2013); Intertextos, Galeria Marilia Razuk, São Paulo (2012); Variaciones políticas del trazo dibujos de Johanna Calle, Fundación TEOR/éTica, San José de Costa Rica (2008); Pretérita, Fundación Gilberto Alzate Avendaño, Bogotá (2006); Tangencias, Sala ASAB, Academia Superior de Artes de Bogotá (2005). Entre as coletivas que participou, destacam- se Trees, Fondation Cartier pour l’Art Contemporain, Paris, (2019), Bienal de Sidney (2016), 31a. Bienal de São Paulo (2014), Lines, curadoria de Rodrigo Moura, Hauser & Wirth (2014), Artists and War, North Dakota Museum of Art, Grand Forks, North Dakota (2009); Historia Natural y Política, Biblioteca Luis Ángel Arango, Bogotá (2008).


Ao longo da sua carreira, Calle recebeu prêmios pelo seu trabalho, entre os quais destacam- se: Emerging Artists Grants Program, Cisneros Fontanals Art Foundation CIFO, Miami (2008) e Mención de Honor IV Premio Luis Caballero (2007); Beca Cité International des Arts, Paris, AFFA Associación Française des Affaires Etrangères (2001); Premio Salón Regional de Artistas, Ministerio de Cultura (2000), entre outros.



Informações para imprensa:

Ane Tavares
aneftavares@gmail.com | 1198865-2580